- Atualizada em 07/11/2017 13:13

Câmara destaca os 75 anos da ARI

Vereadores Fernanda Melchionna, Pujol e Airto Ferronato cumprimentam Torma Foto: Elson Sempé Pedroso
Vereadores Fernanda Melchionna, Pujol e Airto Ferronato cumprimentam Torma Foto: Elson Sempé Pedroso(Foto: )

A Associação Riograndense de Imprensa (ARI) recebeu hoje (29/11) homenagem da Câmara Municipal de Porto Alegre pela passagem dos 75 anos de sua fundação. Proponente da homenagem, o vereador Reginaldo Pujol (DEM) lembrou da constituição da entidade, que nasceu, conforme ele, para defender os jornalistas e a liberdade de imprensa. "Em 19 de dezembro de 1935, 114 jornalistas fundaram a ARI e elegeram Erico Verissimo, então diretor da revista O Globo, como seu primeiro presidente."

Pujol lembrou os nomes de outros celebres integrantes da entidade, como Arlindo Pasqualini, Arquimedes Fortini e Breno Caldas. Destacou ainda dois nomes: Alberto André, que a dirigiu por 34 anos, e o atual presidente, Ercy Torma. Observou que a figura de Ercy é singular, pois, com seu jeito silencioso, mais ouvinte que falante, caracteriza a atuação da própria associação. "Mudam governos, mas a ARI nunca vira contestadora nem bajuladora. É assim que foi granjeando a respeitabilidade que possui. O preço da liberdade é a eterna vigilância. No RS, porém, não é preciso ser vigilante, pois a ARI faz isso por nós."

O presidente da ARI, ao agradecer a homenagem, lembrou a figura de Alberto André. Torma disse que André foi o responsável por abrir as portas da entidade a outros segmentos da sociedade, além dos jornalistas. "Ele imaginou uma associação que representasse tanto o capital quanto o trabalho. Por isso, a ARI reúne, até os dias atuais, tanto empresários quanto empregados."

Torma acrescentou que foi de André a decisão de que a entidade participasse ativamente das discussões sobre o desenvolvimento da cidade. "Ele comandou a presença da ARI em diversos colegiados da sociedade porto-alegrense, integrou o Conselho do Plano Diretor e foi o homem que mais escreveu sobre a cidade". Quanto à ARI dos dias de hoje, Torma disse que ela pretende continuar se modernizando e acompanhando de perto a vida da cidade, sem abandonar a defesa incondicional da liberdade de imprensa.

Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)

Leia também:
Comunicações / ARI