Tribuna Popular

Cegos pedem políticas públicas que incentivem paradesporto

Acergs ocupou a Tribuna Popular na sessão ordinária da Câmara Municipal na tarde desta segunda-feira

Política Paradesporto em Porto Alegre. Na foto, vereador João Bosco vaz, presidente da ACERGS, Gilberto Kemer e presidente da Câmara Mônica Leal.
Vereadores João Bosco Vaz e Mônica Leal com Gilberto Kremer, da Acergs, na sessão desta segunda-feira(Foto: Débora Ercolani/CMPA)

A criação de políticas públicas que incentivem e promovam o paradesporto em Porto Alegre foi solicitada nesta segunda-feira (7/10) na Câmara Municipal. “Além de entretenimento e saúde, (o paradesporto) ajuda na reabilitação de uma pessoa com deficiência” afirmou Gilberto Kremer, presidente da Associação de Cegos do Rio Grande do Sul (Acergs) ao falar na Tribuna Popular, durante a sessão ordinária desta tarde. “Também ajuda a conquistar autonomia e independência. É uma ferramenta muito importante na reabilitação”, destacou ainda ele.

“Faço uma provocação à Casa do Povo e chamo a atenção dos gestores de Porto Alegre, pela criação de políticas públicas para o paradesporto”, disse Kremer ao lamentar que nenhuma das quadras de esportes projetadas para o Trecho 3 de revitalização da Orla do Guaíba tenha previsão de acessibilidade ou seja adaptada para o uso por deficientes físicos. “Não penso só na Acergs”, salientou. “Seja qual for a modalidade para atender ao nosso povo”, pediu. “Precisamos de fomento ao paradesporto, pois ele transforma, reabilita e forma cidadãos”.

Conforme Kremer, mesmo sem nenhum apoio oficial, atletas ligados a Acergs se destacam, há 34 anos, no cenário paradesportista do Brasil. “É um setor nacionalmente reconhecido pelas suas conquistas e realizações”, afirmou, lembrando que a Associação incentiva, entre outras, práticas de atletismo, futebol, judô e golbol, este, como salientou ele, o único esporte criado exclusivamente para ser praticado por pessoas com problemas de visão. “Promovemos o esporte na Acergs pela dedicação e voluntariado”, revelou e completou: “No ano passado foram 59 eventos esportivos contínuos”.

Quadra

Na tribuna do Plenário Otávio Rocha, o vereador João Bosco Vaz (PDT) lamentou que o Ginásio Tesourinha não tenha mais espaço para prática de paradesportos. Ao comentar a manifestação de Gilberto Kraemer, o vereador lembrou que, quando ocupou a pasta municipal de Esportes, este ginásio também havia sido disponibilizado para pessoas deficientes para a realização de jogos, além de terem sido adquiridos, pelo Município, equipamentos para a prática de basquete em cadeira de rodas. Bosco igualmente criticou a falta de previsão de ao menos uma quadra adaptada para pessoas com necessidades especiais na Orla do Guaíba. “Precisamos de quadra com acessibilidade. Os atletas pedem isso”.

Também manifestaram apoio ao pronunciamento da Acergs na Tribuna Popular os vereadores Adeli Sell (PT), Paulo Brum (PTB), Aldacir Oliboni (PT), Márcio Bins Ely (PDT), Alex Fraga (PSol), Cassiá Carpes (PP), Alvoni Medina (Republicanos) e Airto Ferronato (PSB).

Texto

Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)

Edição

Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)

Tópicos:Orla do GuaíbaPara-atletasParadesporteAcergsAssociação de Cegos do Rio Grande do Sul