- Atualizada em 28/07/2016 17:44

Estado também é responsavel pela tragédia em Arroio dos Ratos

Se o Poder Público cumprisse a sua parte as sete mortes numa clinica de reabilitação de usuários de álcool e outras drogas poderiam ter sido evitadas.

Discussões sobre o veto parcial do executivo ao plano diretor. Na foto: Vereador Dr. Thiago Duarte
Dr. Thiago condena omissão do poder público no tratamento de usuários(Foto: Leonardo Contursi/CMPA)

A tragédia ocorrida na última semana na cidade gaúcha de Arroio dos Ratos poderia ter sido evitada se o Estado fizesse a sua parte. É o que afirma o vereador Dr. Thiago Duarte, lembrando que os pacientes internados em centros de reabilitação para usuários de álcool e outras drogas “não podem estar em surto, ou seja, no início do tratamento”. O tratamento inicial, segundo ele, cabe às clinicas hospitalares em condições de atender casos desta natureza. O estado pode não ter ainda uma lei que obrigue as casas de saúde a realizar o atendimento inicial, mas Porto Alegre tem e não cumpre com a legislação em vigor afirma o parlamentar. 

TRATAMENTO
A Câmara Municipal aprovou em 2012, o projeto de autoria do vereador Dr. Thiago Duarte criando o Centro Integrado de Combate à Drogadição, com a missão de fornecer serviço de orientação aos usuários de drogas e a seus familiares, para tratamento em instituições especializadas ou em grupos de ajuda. O centro deverá contar, em seu quadro, com profissionais capacitados a darem informações a educadores e a toda a comunidade sobre as consequências e os prejuízos do uso de drogas. “Só depois de passar pelo período de abstinência é que o paciente deve ser encaminhado para os centros de reabilitação” alerta o parlamentar, lamentando o incidente ocorrido em Arroio dos Ratos, que vitimou sete pessoas enclausuradas em um cômodo da clínica por estarem no período e abstinência. Segundo ele pela total ausência do poder público no tratamento as pessoas acabam procurando os centros e reabilitação que, sem alternativas, acabam abrigando os usuários para que não retorne às ruas. “Vamos torcer para que casos como este não ocorram mais e ao mesmo tempo implorar para que o gestor público faça a sua parte”, concluiu Dr. Thiago.
Texto: Flávio Damiani (reg prof 6180)