- Atualizada em 04/10/2017 15:47

Carús protocola projeto que cria a Zona de Inovação Sustentável de Porto Alegre

Anuncio da iniciativa foi feito na segunda-feira para grupo que participou de evento promovido pela Cosmam, Zispoa e Embaixada da Suécia em Brasília

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação(Foto: )

O Vereador André Carús protocolou nesta terça-feira, 3, o Projeto de Lei 293/17, que institui e delimita a Zona de Inovação Sustentável de Porto Alegre (Zispoa). A área, compreendida em parte dos bairros Bom Fim, Farroupilha, Floresta, Independência, Rio Branco e Santana, visa favorecer a promoção de políticas públicas sustentáveis, com relevância urbanística, ambiental e empreendedora. 

Conforme Carús, a delimitação da Zispoa visa promover atividades voltadas à inovação e à sustentabilidade, incluindo educação ambiental, integração social e comunitária, empreendedorismo e incentivo ao uso de tecnologias e ações que contribuam para a redução de emissão de gases do efeito estufa. “O desenvolvimento econômico e social passa, necessariamente, pela promoção da sustentabilidade. A Zispoa vem arejando as históricas bandeiras ecológicas do Estado, mostrando aos empreendedores sua importância dentro deste processo de inovação e sustentabilidade. O que estamos fazendo com este projeto é reconhecer e incentivar a ampliação do trabalho que vem sendo desenvolvido pelo grupo desde 2015”, disse Carús.

Carús anunciou que iria protocolar o projeto, em primeira mão, na noite de segunda-feira, 2, a cerca de 50 participantes de evento promovido pela Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Câmara, Zispoa e Embaixada da Suécia em Brasília. A reunião, que ocorreu no Prédio Centenário da Faculdade de Engenharia da Ufrgs, contou com a palestra do ambientalista Mattias Goldmann. Em sua fala, o sueco desafiou os participantes a agirem localmente e com criatividade para transformar o Rio Grande do Sul em uma região pioneira em iniciativas que levem em conta os pilares da inovação e da sustentabilidade. 

“Precisamos entender que não podemos forçar as pessoas a fazerem o que não querem. E, isso, se aplica ao tema das mudanças climáticas”, disse Goldmann, que enumerou diversas iniciativas tecnológicas que foram criadas sem se levar em conta a redução da emissão de gases do efeito estufa, mas que, consequentemente, reduzem os impactos dos gases poluentes e a extração de recursos naturais. “Ninguém usa o app do Spotfy porque quer fazer o bem pelo clima da Terra. Usamos por nossa própria conveniência, mas deixamos de comprar CDs e usar aquelas caixinhas de plástico. Há várias outras coisas que fazemos pelo clima sem querer. E aqui no Estado, o que vocês podem criar que ajude a reduzir as mudanças climáticas, sem necessariamente ter este tema como foco?”, questionou. 

Para o CEO da Global Urban Development e idealizador da ZISPOA, Marc A. Weiss, o caminho pode estar na parceria entre universidades, poder público e sociedade para a construção de um ambiente amigável aos negócios, ao empreendedorismo e à sustentabilidade. “Queremos tornar a Zispoa o lugar mais sustentável e inovador da América Latina até 2020, através de iniciativas como uso de energia solar, eficiência energética, conexão digital e ambiente amigável a tecnologias renováveis e ao uso de bicicletas”, disse Weiss, destacando que a ZISPOA é uma excelente oportunidade para Porto Alegre atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. 

Atividades que serão incentivadas na Zispoa: 

– Uso de inovação e tecnologia no desenvolvimento e aprimoramento da sustentabilidade e da eficiência na utilização de recursos tanto nos negócios quanto no dia-a-dia;
– Promoção da cultura empreendedora e o desenvolvimento de startups para incorporar soluções sustentáveis e eficientes aos negócios e para a sociedade; 
– Fomento a iniciativas que visem conservar e reutilizar os recursos de forma mais eficiente, especificamente recursos renováveis, propondo mais harmonia e equilíbrio com os ciclos naturais dos ecossistemas;
– Incentivo à economia compartilhada, criativa e colaborativa para o desenvolvimento de negócios e comunidades, tanto quanto os valores de Inovação Sustentável;
– Promoção da gestão participativa e comunitária; 
– Tornar a região amigável aos negócios colaborativos, sustentáveis e tecnológicos; e
– Buscar alternativas para demarcar visualmente a área.

Confira o perímetro da Zispoa: Av. João Pessoa (apenas o lado da rua lindeiro ao Parque Farroupilha), Rua Engenheiro Luiz Englert (os dois lados), Av. Setembrina (os dois lados), Av. Osvaldo Aranha (os dois lados), Rua Dr. Barros Cassal (os dois lados), Av. Cristóvão Colombo (os dois lados), Rua Comendador Coruja (os dois lados), Rua São Carlos (os dois lados), Rua Ramiro Barcelos (os dois lados), Rua São Carlos (os dois lados), Rua Comendador Azevedo (os dois lados), Av. Farrapos (apenas o lado lindeiro à Praça Florida), Rua Praça Bartolomeu Gusmão (os dois lados), Rua São Carlos (os dois lados), Rua Sete de Abril (os dois lados), Rua São Carlos (os dois lados), Rua Álvaro Chaves (os dois lados), Rua Santa Rita (os dois lados), Rua Conde de Porto Alegre (os dois lados), Travessa Azevedo (os dois lados), Rua Visconde do Rio Branco (os dois lados), Rua Marquês do Pombal (os dois lados), Rua Câncio Gomes(os dois lados), Rua General Neto (os dois lados), Rua Dr. Vale (os dois lados), Rua Miguel Tostes (os dois lados), Rua Castro Alves (os dois lados), Rua Mariante (os dois lados), Av. Protásio Alves (os dois lados), Rua Ramiro Barcelos (os dois lados), Av. Jerônimo de Ornelas (os dois lados) até a Av. João Pessoa.  

Saiba mais sobre a Zispoa, clicando aqui.