Sessão Solene

Câmara realiza homenagem pelo transcurso dos 177 anos da Polícia Civil

  • Sessão Solene em Homenagem aos 177 anos da Polícia Civil.
    Wendt e Mônica exibem diploma conferido pela Câmara à Polícia Civil(Foto: Andielli Silveira/CMPA)
  • Sessão Solene em Homenagem aos 177 anos da Polícia Civil. Na foto, a vereadora Mônica Leal.
    Vereadora Mônica Leal (PP) foi a proponente da homenagem(Foto: Andielli Silveira/CMPA)

A Câmara Municipal de Porto Alegre realizou no Plenário Otávio Rocha, nesta terça-feira (4/12), sessão solene em homenagem ao transcurso dos 177 anos da Polícia Civil do Rio Grande do Sul. A iniciativa é da Mesa Diretora da Câmara, através da vice-presidente, vereadora Mônica Leal (PP), e teve como objetivo dar reconhecimento e valorização aos profissionais que formam essa força de segurança pública. 

O presidente da Câmara Municipal, vereador Valter Nagelstein (MDB), dirigiu a solene e destacou em sua fala que a Câmara “recebe com muita satisfação os representantes da Polícia Civil e de todas as forças de segurança. Quando a polícia se dedica a elucidar um crime, temos a certeza que ela conseguirá executar, pela sua competência e presteza”.

A proponente Mônica Leal ressaltou a trajetória da Polícia Civil, que completou no último dia 3 de dezembro 177 anos, sempre no compromisso com a comunidade gaúcha. Sempre com o procedimento de servir e proteger, com estratégias e tecnologia. “Sabemos do recente quadro do governo estadual, sabemos que existem dificuldades como os salários desses profissionais que estão sendo pagos de forma parcelada. São inúmeros os problemas. A profissão é de risco e precisa ser amparada”, destaca a vereadora

Mônica também lembrou que os policiais são o principal capital humano e a maior riqueza das polícias. “É preciso que as lutas e reivindicações constantes sejam sempre percebidas e atendidas. É uma categoria que exerce uma atividade de risco e cujo ofício é indispensável à sociedade, é de utilidade pública”.

A Polícia Civil conta com homens e mulheres para enfrentar os desafios do dia a dia. Ela ressaltou também a inteligência da polícia na resolução de crimes e citou desde as medidas protetivas até as investigações que levam mais tempo, como a fuga evitada de centenas de presos do Presídio Central. Salientou, ainda, da ligação direta do efetivo com a sociedade que fez surgir setores especializados. E por fim não deixou de mencionar seu pai, Pedro Américo Leal, que foi professor da Academia de Polícia. “Não me cansarei de relembrar e repetir, quando entrei na vida pública meu pai me disse: filha, cuida da minha Polícia Civil. Meus cumprimentos a toda instituição”.

Vereadores

O vereador Claudio Conceição (PTB) enfatizou a importância desse dia. A Polícia tem profissionais que no passado colocaram suas vidas em risco e continuam colocando. “A polícia teve um passado e um presente e terá um futuro de agentes revigorados e que valorizam essa profissão. Como agente, sou oriundo desses profissionais e parabenizo cada policial."

A vereadora Comandante Nádia (MDB) também se pronunciou dizendo que é fundamental essa homenagem na Câmara, pela importância do ato, pelos trabalhos que são realizados, pela sua integração, cada um na sua competência. “Parabenizo a classe policial e sabemos das dificuldades de equipamentos e armamento. Nós temos o dever de falar aqui neste parlamento que nós dizemos sim para as forças de segurança. São homens e mulheres que trabalham diuturnamente e são incansáveis em suas ações”.

Polícia Civil

Agradecendo as palavras dirigidas à instituição, o chefe de Polícia do RS, delegado Emerson Wendt, agradeceu a parceria da Brigada Militar com operações integradas. Segundo ele, isso faz referência à efetividade das forças de segurança. 

Também fez uma saudação especial a todos os policiais civis do Estado. Durante seu pronunciamento, disse considerar a profissão uma atividade complexa, pois dentro de suas atribuições o policial civil combate desde o crime organizado até os crimes de violência doméstica e contra o idoso. "Temos que nos desdobrar executando operações policiais ao combate da lavagem de dinheiro, não descuidando das atividades preventivas, executadas de forma muito positiva", explica. 

Disse ainda que nesses 177 anos todos aprenderam muito e que essa história não se acabará. “Até o fim do ano teremos um museu que contará toda essa trajetória. Em 2017 atendemos mais de 800 mil ocorrências criminais e cada vez mais trabalhamos com aprimoramento da Polícia Civil para os próximos anos” 

Conforme o delegado, a Polícia Civil também tem atividades solidárias para dialogar com estudantes nas escolas e destacou o trabalho de mediação que a polícia realiza para evitar que conflitos se agravem. A respeito da sobrecarga de presos nas delegacias, Wendt disse que há uma extrema dificuldade, mas mesmo assim a polícia manteve sua capacidade operacional. Em suas considerações finais, o delegado aproveitou para agradecer o reconhecimento da Câmara e enaltecer o trabalho de todos os policiais. "São eles que merecem diariamente nosso reconhecimento, principalmente neste parlamento municipal".

Homenagem

Na ocasião, foi entregue ao delegado Emerson Wendt um diploma em homenagem aos 177 anos da instituição. Estiveram presentes na solenidade, representando a Brigada Militar, o comandante de policiamento da Capital, tenente coronel André Luiz Nikele Cordova e representando a prefeitura de Porto Alegre, o delegado Francisco Carlos de Oliveira Soares. Membros do Tribunal de Justiça Militar, Polícia Civil, Sindicato dos Policiais Civis do Estado e da Capitania Fluvial de Porto Alegre também prestigiaram o ato, que contou ainda com a presença do vereador Rafão Oliveira (PTB).

Texto: Priscila Bittencourte (reg. prof. 14806)
Edição: Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)