Presidência

Pedro Américo Leal é homenageado com nome de avenida no Cristal

  • Presidente Mônica Leal participa do ato de descerramento da placa denominativa da Avenida Pedro Américo Leal. Na foto, a presidente e família fazem o descerramento da placa
    Inauguração da placa reuniu familiares e amigos em avenida no Cristal(Foto: Ederson Nunes/CMPA)
  • Presidente Mônica Leal participa do ato de descerramento da placa denominativa da Avenida Pedro Américo Leal.
    Mônica lembrou dos ensinamento de seu pai: garra, disciplina e lealdade(Foto: Ederson Nunes/CMPA)

A presidente da Câmara Municipal de Porto Alegre, vereadora Mônica Leal (PP), participou na manhã deste sábado (8/6) da inauguração da avenida Pedro Américo Leal. O nome do logradouro é uma homenagem ao pai, falecido em 2016, e foi proposto pela bancada do partido Progressistas. A avenida está localizada na zona sul da Capital, entre as avenidas Icaraí e Diário de Notícias, no bairro Cristal. 

Ao discursar na solenidade, Mônica agradeceu pela homenagem ao pai e afirmou: "Com sua garra de vencer, ele imprimiu em mim traços valiosos vindos de seu espírito de luta, dever e disciplina. Foi a sua paixão, sua doação e seus ensinamentos que despertaram em mim a percepção do que é o dever público, que reforçaram minhas crenças já fortes, sobre lealdade, integridade, trabalho e comprometimento, virtudes essenciais para o ofício político. Esta homenagem justa e merecida, que não poderia ser de outra forma, ficará gravada para sempre na minha memória", destacou a presidente da Câmara. 

O irmão mais velho da presidente, João Pedro Leal, leu uma carta escrita pelo pai e destacou: “Não descuidem a família, haja o que houver, permaneçam juntos”, mostrando que acima de tudo o homenageado nunca descuidou da família e este é seu maior legado.

História

Pedro Américo Leal era natural do Rio de Janeiro e, em 1944, chegou a Porto Alegre, onde construiu família e ascendeu nas carreiras militar e política, além de ter sido professor de Educação Física, psicólogo, jornalista e poeta. Como militar, foi coronel do Exército. Também atuou como comandante da 1° Cia de Guarda, diretor da Escola de Polícia e presidente da Cruz Vermela. No governo de Peracchi Barcelos, ocupou o cargo de chefe de Polícia do Estado. Deputado estadual, foi eleito pela Aliança Renovadora Nacional (Arena) nas eleições de 1974 e 1978. Posteriormente, elegeu-se vereador da Capital em três oportunidades: 1992, 1996 e 2000.

Como vereador, criou e levantou a Subestação do Corpo de Bombeiros junto à prefeitura e colocou a 1ª Cia do 9º Batalhão da Polícia Militar na Praça XV de Novembro, no Largo da Epatur. Simultaneamente, legislou sobre o Monumento ao Policial, o qual inaugurou. Ainda intermediou a compra e a localização do prédio de seis andares em frente ao Sport Club Internacional, destinado à Vigilância Sanitária, que constituía grande anseio da Secretaria da Saúde.

Além de Mônica Leal, também participaram da cerimônia o general Antônio Miotto, comandante militar do Sul, o coronel Mário Ikeda, comandante da Brigada Militar, representantes do Grupo de Operações Especiais (GOE), o ex-governador do Estado do Rio Grande do Sul Jair Soares e os vereadores João Carlos Nedel (PP), Dr. Goulart (PTB), o ex-vereador e ex-prefeito João Antônio Dib, a esposa de Pedro Américo Leal, Carmen Ibañez, e familiares.  

Texto

Guga Stefanello (reg. prof. 12.315)

Edição

Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)