Institucional

Vereadores percorrem o Guaíba a bordo do Cisne Branco

Na segunda etapa da sessão embarcada, a Câmara ouviu o Dmae, Bombeiros e autoridades portuárias e fluviais

  • Movimentação da sessão especial a bordo do Cisne Branco. Na foto, o vereador João Carlos Nedel, o representante do Corpo de Bombeiros Militar, Tenente Coronel Luiz Carlos Neves Júnior, o comandante da Capitania Fluvial de Mar e Guerra, Amaury Marcial Gomes Júnior e o presidente da Câmara, vereador Valter Nagelstein.
    Nagelstein (d) disse que a Câmara quer chamar a atenção para importância do Guaíba(Foto: Luiza Dorneles/CMPA)
  • Movimentação da sessão especial a bordo do Cisne Branco.
    Vista de Porto Alegre a partir do barco de passeio Cisne Branco hoje à tarde(Foto: Luiza Dorneles/CMPA)

Em Sessão Especial na tarde desta quinta-feira (12/4), realizada a bordo do Cisne Branco, vereadores de Porto Alegre e autoridades percorreram, por três horas, a orla do Guaíba e o Delta do Rio Jacuí para debater temas relacionados ao turismo náutico, segurança e qualidade das águas que banham a Capital e diversos municípios vizinhos. O percurso ocorreu após a realização do Almoço dos Ilheiros do Grêmio Náutico União, oferecido pelo clube em sua sede na Ilha do Pavão.

O presidente da Câmara Municipal, vereador Valter Nagelstein (PMDB), destacou que o objetivo de levar as atividades do Legislativo para o Guaíba, por meio do projeto Câmara na Rua, é “chamar a atenção dos 1,5 milhão de porto-alegrenses para este verdadeiro tesouro” que é o lago. “Porto Alegre nasceu da relação com o Guaíba. O poder político tem que ter capacidade de olhar para o futuro e se reaproximar dos temas estratégicos, como reconstruir a hidrovia e investir no turismo náutico.”

Como encaminhamento, Nagelstein sugeriu que a Câmara redija um documento que sintetize a Sessão Especial e traga apontamentos estratégicos e demandas aos órgãos responsáveis. Anunciou ainda que recomendará a entrega do Troféu Câmara Municipal de Porto Alegre para reconhecer o barco de passeio Cisne Branco como patrimônio da cidade.

Segurança e cais

O comandante da Capitania Fluvial de Porto Alegre, Amaury Marcial Gomes Júnior comentou as atribuições do órgão. Como lembrou, a Capitania é responsável pela segurança dos rios, lagos, lagoas, hidrovias e canais. É quem treina e certifica todas as tripulações de barcos civis, profissionais e amadores, sejam pilotos, co-pilotos, garçons, cozinheiros, mecânicos ou pescadores. Sobre os cursos, o comandante disse que são realizados em módulos de três meses e têm como público-alvo sobretudo pessoas de baixa renda que estejam interessadas em se profissionalizar para a atividade em embarcações. “O 5º Comando Naval, a quem a Capitania se subordina, faz cumprir as leis de navegação, realiza trabalho social e atua na fiscalização do trânsito em hidrovias, além de garantir o cumprimento dos tratados internacionais aos quais o Brasil é signatário, entre os quais os de combate à poluição de águas por derramamento de óleo", detalhou Gomes Júnior.

Falando em nome da Superintendência de Portos, Bruno Almeida assinalou o perfil dos dois cais de Porto Alegre, notadamente o Cais Navegantes e o Cais Marcílio Dias, ambos localizados na Zona Norte. “São Portos em que as cargas saem rumo aos portos oceânicos ou chegam como último destino por ser o Guaíba uma hidrovia que só tem um ponto de comunicação com o mar”, explicou. As cargas mais movimentadas na Capital são os insumos para a indústria de fertilizantes, transformadores elétricos, torres eólicas e guindastes fabricados numa empresa de grande porte de Cachoeirinha.

O tenente-coronel Luiz Carlos Neves Junior, do 1º Batalhão de Bombeiros Militar da Capital, destacou que a corporação tem uma equipe especial de busca de salvamento, com mergulhadores. Disse que esta unidade atende ocorrências no Lago Guaíba, como buscas por desaparecidos e embarcações naufragadas. “O banho ocorre em vários pontos do Guaíba, que tem locais profundos, inclusive perto da Usina do Gasômetro, onde já houve afogamentos”, disse. Revelou ainda que está em tratativas a construção de um novo quartel dos Bombeiros, junto à orla, em área próxima à Rótula das Cuias.

Qualidade da água, esportes e turismo

O diretor-geral do Departamento Municipal de Águas e Esgoto (Dmae), Darcy Nunes dos Santos, falou sobre qualidade da água da Capital e a possibilidade de captação do Rio Jacuí. Ele garantiu que, sob o aspecto de abastecimento hídrico, Porto Alegre tem potencial garantido. Atualmente, são seis estações de tratamento que alimentam 300 mil pontos de ligações hídricas. Darcy salientou que existe um projeto para captar água do Jacuí. Todavia sua implementação só alimentaria os bairros São João e Navegantes, não beneficiando o restante do município. Outro ponto abordado pelo engenheiro foi referente ao tratamento de esgoto. Lembrou que Porto Alegre tem potencial instalado para tratar até 80% do esgoto gerado, graças ao programa Pisa. “Estima-se que a quantidade de oxigênio poupado no Guaíba é próximo de 9 mil toneladas. Comparado às décadas anteriores, a descontaminação progrediu muito, principalmente de 2014 pra cá”, concluiu.

O vereador João Carlos Nedel (PP) considerou que é necessário melhorar o aproveitamento dos esportes náuticos nas águas do Guaíba também como atrações turísticas. Segundo ele, o incentivo e a divulgação são insuficientes: "Existem espetáculos e eventos esportivos sensacionais que são ou podem ser realizados aqui. As possibilidades são imensas". Outro aspecto apontado pelo vereador, com o objetivo de melhorar o turismo, além das obras de revitalização da Orla Moacyr Scliar, do Cais Mauá, entre outras, diz respeito à balneabilidade do Lago. “Já melhoramos muito, mas precisamos melhorar ainda mais, principalmente as condições de rios como o Gravataí e o dos Sinos”, afirmou Nedel. 

Outros vereadores também se pronunciaram durante a Sessão Especial:

DESASSOREAMENTO: Adeli Sell (PT) defendeu a alteração da legislação federal a fim de viabilizar o desassoreamento do Guaíba, a partir da extração e venda de areia por Parcerias Público Privadas (PPPs). 

POPULAÇÃO: Reginaldo Pujol (DEM) questionou quantas pessoas em Porto Alegre conhecem o Guaíba e sugeriu que seja feito um esforço para divulgar o turismo náutico para a população local. 

UNIÃO: José Freitas (PRB) disse que é preciso unir forças para tirar do papel os projetos que viabilizem o turismo náutico.

ESTRATÉGIA: Cassiá Carpes (PP) disse que é contra a privatização do Dmae, lembrando que a autarquia arrecada bem, mas precisa ser bem gerida. “Não querer empreender e sucatear o Dmae não é uma boa estratégia para a cidade.” 

RESPONSABILIDADE: André Carús (PMDB) destacou que a responsabilidade pela preservação do Guaíba é de todos (cidadãos e poder público), a partir de ações que preservem as matas ciliares, a não-poluição e o descarte adequado dos resíduos. Afirmou ainda que Porto Alegre puxa para baixo o turismo náutico pela burocracia e pela letargia. “A Prefeitura não tem que subsidiar turismo, mas tem que acelerar os negócios”, afirmou. 

Também participaram da sessão a bordo do Cisne Branco os vereadores Aldacir Oliboni (PT), Comandante Nádia (PMDB), João Bosco Vaz (PDT), Mauro Pinheiro (REDE) e Mendes Ribeiro (PMDB); além de Adriane Hilbig, proprietária do Barco Cisne Branco. Participaram do almoço no Grêmio Náutico União os vereadores Alvoni Medina (PRB), Moisés Barboza (PSDB), Roberto Robaina (PSOL) e Sofia Cavedon (PT); o deputado estadual Tiago Simon (PMDB); diretores do União - José Naja Neme da Silva (presidente), Paulo Bing (vice-presidente), Alexandre Makariewicz (vice-presidente Cívico Cultural) e Sérgio Bechelli (presidente do Conselho Superior); e Paulo Renato Vieira da Silva, representante dos ilheiros do União e responsável pelo almoço número 1840.

Texto: Cibele Carneiro (reg. prof. 11.977)
           Fernando Cibelli de Castro (reg. prof. 6881)
          Alex Marchand (estagiário de Jornalismo)
Edição: Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)