- Atualizada em 29/03/2018 09:38

Mulheres recebem destaque do Legislativo pelo Dia Internacional

Nove lideranças femininas foram homenageadas nesta quinta-feira pela Câmara Municipal

  • Dia das mulheres na CMPA. Movimentação de plenário.
    Ao final da solenidade, todas as mulheres foram reunidas em uma mesma foto(Foto: Tonico Alvares/CMPA)
  • Dia das mulheres na CMPA. Movimentação de plenário.
    A cerimônia teve apresentação em violino da música La vie en rose (Foto: Tonico Alvares/CMPA)

Nove mulheres foram homenageadas neste 8 de Março pela Câmara Municipal de Porto Alegre. Indicadas por vereadoras, pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Esporte da Capital e pelo Sindicato dos Servidores da Câmara (Sindicâmara), as lideranças femininas destacadas pela passagem do Dia Internacional da Mulher participaram da sessão ordinária do Legislativo na tarde desta quinta-feira (8/3), oportunidade em que, além de receberem flores e diplomas alusivos à data, tiveram suas trajetórias pessoais e profissionais citadas na tribuna do Plenário Otávio Rocha.

Receberam destaque pela data a delegada da Polícia Civil Nadine Tagliari Farias Anflor, a líder comunitária Angélica Celeste Mirinhã, a mãe de uma criança portadora de necessidades especiais Flávia Carian Quadros de Souza, a travesti e liderança LGTB Marcelly Malta, a jornalista Rosina Duarte, a protetora de animais Laíza Fróes Scaf, a cadeirante Liza Cristina Cence, a servidora da Câmara Municipal Vilma Silva e a arquiteta Diza Gonzaga. A homenagem teve ainda a participação da violinista Maria Stringuini, que interpretou a música La vie en rose.

Homenageadas

A vereadora Comandante Nádia (PMDB) destacou a atuação da delegada Nadine Anflor, com quem trabalhou, enquanto integrante da Brigada Militar na implantação da Patrulha Maria da Penha. A vereadora lembrou que Nadine foi a primeira mulher eleita para presidir a Associação de Delegados de Polícia Civil do Estado, além de ter atuação destacada em órgãos de segurança pública.

Angélica Mirinhã foi a indicada pela vereadora Sofia Cavedon (PT). “Angélica compõe a luta das mulheres urbanas, das mulheres negras, da luta pela moradia, pela assistência social”, destacou. “É uma liderança comunitária feminista”, disse ainda a vereadora ao citar a participação da homenageada nos Fóruns Fome Zero e em reivindicações por verbas para o desenvolvimento e por aplicação de políticas de assistência social.

Mãe de uma criança especial, Flávia Souza foi indicada para a homenagem pela vereadora Cláudia Araújo (PSD). “Ela representa a luta de muitas mulheres que têm filhos e dependentes especiais”, afirmou. “A luta de uma mãe especial não é fácil, pois são várias lutas por vários motivos”, disse ainda a vereadora, ao salientar que uma mulher nessas condições busca respeito a si como mulher e ao direito dos filhos, “muitas vezes não respeitados”.

“Uma pessoa que, para nossa luta, é um importante exemplo de vida”. Assim a vereadora Luísa Stern (PT) definiu a travesti e liderança LGBT Marcelly Malta. A vereadora disse igualmente ser necessário que esta data seja um dia internacional de luta de todas as mulheres, e não apenas de um padrão de mulher. “Mas das negras, da cidade, do campo, das transexuais e das travestis”, citou. Luísa lembrou ainda que a luta de Marcelly abriu caminho para muita gente: “Inclusive para mim”.

Jornalista, escritora e educadora popular, Rosina Duarte foi destacada pela vereadora Natália Alves (PT). “Ela está aí para fazer e escrever a história dos cidadãos invisíveis, das ruas”, salientou Natália ao lembrar que Rosina é responsável pelo jornal Boca de Rua, que retrata a vida e histórias de moradores de rua da Capital. A vereadora citou livros escritos pela homenageada, além de lembrar ser ela a promotora de oficina de leitura crítica de veículos de comunicação. “Sempre se jogou de corpo e alma em projetos sociais”, disse ainda Natália sobre a jornalista.

O pioneirismo em campanhas pelo bem-estar dos animais, com a formação de grupos que posteriormente se multiplicaram, foi o motivo de Laíza Scaf ser homenageada pela vereadora Lourdes Sprenger (PMDB). “Ela criou um dos primeiros grupos de apoio aos animais, que foi também uma das primeiras entidades do Rio Grande do Sul com reconhecimento nacional”, disse Lourdes, ao citar que, na época, não havia nenhum apoio do poder público para ações desta natureza. “Laíza deixou sementes de conscientização sobre o controle populacional dos animais”, lembrou.

A vereadora Mônica Leal (PP), presidente interina da Câmara, definiu a homenageada por ela indicada como uma “especialista na preservação da vida”. Presidente da Fundação Thiago Gonzaga, Diza Gonzaga tem uma atuação fortemente ligada a conscientizar a juventude sobre a valorização da vida, onde jovens alertam outros jovens a respeito dos perigos da mistura de álcool com direção, como destacou Mônica. “Acompanho, vibro e aplaudo a Fundação”, destacou a vereadora. “Pais e jovens agradecem de coração pelo trabalho de preservação da vida”.  

Uma colega com disposição ao trabalho, tendo exercido na Câmara Municipal de Porto Alegre funções variadas que incluíram os setores de limpeza e marcenaria, se constituindo num exemplo para todos os servidores da Casa legislativa. Assim foi definida Vilma Silva, indicada pelo Sindicâmara para a homenagem. A servidora Valeska do Canto Donini, que falou pelo Sindicato, lembrou ainda que Vilma nunca abandonou seu posto de trabalho e criou um filho exercendo por vezes três turnos diários. “Temos muito orgulho em homenagear esta colega”, salientou Valeska.

Secretária em exercício da pasta municipal de Desenvolvimento Social e Esporte, Denise Ries Russo destacou a servidora pública e cadeirante Lizete (Liza) Cristina Cence. Integrante do Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência, Liza foi definida como uma “lutadora e vencedora na vida”. Conforme Denise, a homenageada faz diferença na vida das pessoas. “É uma honra para o Executivo homenagear, em parceria com a Câmara Municipal, essa pessoa que tem uma delicadeza de vida e uma trajetória vitoriosa”.

Agradecimentos

A delegada Nadine Anflor dividiu a homenagem com todas suas colegas policiais, com a secretária-adjunta de segurança do município de Porto Alegre e com todas as outras mulheres. Recordou que as primeiras mulheres ingressaram na Polícia em 1988, com a necessidade de delegadas para comandar as primeiras Delegacias da Mulher. “Hoje já somos mais de 33% na instituição. Estamos galgando cada vez mais os postos de comando e almejando a igualdade entre homens e mulheres”, afirmou.

Angélica Mirinhã dedicou a homenagem a sua mãe, que foi responsável por sua educação, ao seu pai, às suas filhas, à sua neta Rafaela e ao seu neto Gabriel. Também dedicou a distinção à Base de Movimento Popular Comunitário e a todas as lutas populares por moradias. “A política representa um espaço e iremos utilizá-lo. As mulheres não têm que ter medo. Vamos nos organizar para conquistar nossos direitos e nossa cidadania”, declarou.

Flávia Souza agradeceu à vereadora Cláudia Araújo pela homenagem e pelo envolvimento na luta com as mães de pessoas especiais. Estendeu a homenagem a todas estas mães, que, segundo ela, muitas vezes acabam por abdicar de carreiras profissionais para se dedicarem à qualidade de vida dos filhos.

Rosina Duarte destacou o trabalho da Alice, que é realizado junto a populações que são consideradas, muitas vezes, invisíveis (prostitutas, presidiárias, jovens de periferia, moradoras de rua). Como lembrou, principalmente as moradoras de rua enfrentam situações lamentáveis ao ter os filhos sequestrados dos hospitais e dados para adoção. “Algumas delas chegam a passar uma vida inteira procurando pelos filhos. Poucas os reencontram, por meio da imprensa, com o apoio de jornais como o Boca de Rua. Peço que tornem estas histórias mais vivas, com a devida credibilidade às histórias destas mulheres. Desejo que este seja um dia de luta”, concluiu.

Homenageada pela vereadora Lourdes Sprenger (PMDB), a artista plástica e defensora dos animais Laíza Scaf, usou seu tempo na tribuna para defender a causa dos animais. De acordo com ela, o setor dedicado ao atendimento de animais na cidade está sendo bem estruturado. “É uma causa que carrego no peito”, defendeu. Em sua convicção, o poder público é o agente com a responsabilidade de cuidar do assunto, trabalhando através de ONG’s e abrigos. 

A presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoas com Deficiência de Porto Alegre, Liza Cristina Cence, homenageada pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Esporte, aproveitou a oportunidade para agradecer a todos que enriquecem a luta das mulheres, que, conforme ela, é diária. Segundo Liza, a mulher deficiente também é discriminada e esquecida, pois é uma causa desassistida pela classe política. “Temos muito a avançar”, frisou. 

Diza Gonzaga, da Fundação Thiago Moraes Gonzaga, homenageada por Mônica Leal (PP), declarou que 8 de Março é mais que um dia de comemorações. “É um dia de reflexão sobre o nosso papel na construção de um mundo mais amoroso e honesto. E, também, um dia de rever o preconceito e discriminações que as mulheres vêm sofrendo há centenas de anos”. Ela destacou também que a data serve para acabar com mitos, e citou o trânsito como exemplo. “No trânsito, em qualquer barbeiragem é dito: tinha que ser mulher”. Na ocasião, ela apontou que 90% dos acidentes automotivos com morte tinham o homem como condutor. Nos 20 anos em que está à frente da fundação, Diza afirmou que tem acompanhado o comportamento feminino no trânsito, que é mais prudente, e que o grande desafio é fazer com que homens fiquem mais atentos à preservação da vida. 

Presidente

No encerramento da cerimônia, Mônica Leal (PP) disse se orgulhar de constatar que a sociedade não seria a mesma sem a sensibilidade e força das mulheres. “Seja no âmbito familiar, no mercado de trabalho, na política, na área social ou no trânsito, a luta pela igualdade é permanente e urgente”. A vereadora ainda agradeceu e dedicou a homenagem a todas mulheres. 

Texto: Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)
           Alex Marchand (estagiário de Jornalismo)
           Munique Freitas (estagiária de Jornalismo)
Edição: Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)