PLENÁRIO VIRTUAL

Covid-19: Câmara aprova suspensão de taxas para táxis e escolares

  • Transporte Público. Mobilidade Urbana. Táxi. Ônibus. Trânsito. Tarifa. Carris. Ruas e avenidas. Loureiro da Silva. Paradas de Ônibus. Usuários. Passagens. Acessibilidade. Motoristas e cobradores. Consórcios. Cidade de Porto Alegre. SFCMPA
    Projeto beneficia taxistas e o serviço de transporte escolar(Foto: Leonardo Contursi)
  • Sessão online com os vereadores. Na foto, vereador Clàudio Janta, autor de projeto votado.
    Vereador Cláudio Janta (SD), autor da proposta, em sessão virtual nesta quinta(Foto: Ederson Nunes/CMPA)

Em reunião virtual realizada nesta quinta-feira (30/4), os vereadores e vereadoras de Porto Alegre aprovaram projeto de lei que suspende a cobrança das taxas dos permissionários de táxis e veículos escolares no período em que vigorarem os decretos de calamidade pública e outras leis em razão do novo coronavírus. O projeto teve 26 votos favoráveis e seis contrários.

Conforme a proposta, de autoria do vereador Clàudio Janta (SD), a suspensão não acarretará juros e multa aos permissionários. A emenda nº 1, também de Janta, ainda suspende até julho de 2021 a obrigatoriedade de biometria aos taxistas. 

Janta destacou na justificativa do projeto que os permissionários de táxis e lotações de Porto Alegre vêm sofrendo a diminuição de passageiros ao longo dos anos, mas que, “com o advento do coronavírus e o isolamento social a grave crise gerou uma situação insustentável”. Para ele, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) pode contribuir com as medidas de mitigação dos danos causados pela pandemia suspendendo as taxas, já que “sua arrecadação cresce de maneira vertiginosa”. 

O parlamentar ressalta que em 2017 o então presidente da EPTC, Marcelo Soletti, esteve na Comissão de Economia e Finanças (Cefor) da Câmara Municipal, onde afirmou que a empresa trabalhava com a meta de chegar a 2020 com 100% de autonomia financeira. “Entre as principais fontes de receita própria, o diretor-presidente cita a cobrança de multas: de janeiro a agosto, foram arrecadados R$ 57,5 milhões, contra R$ 47,5 mi em todo o ano passado, e R$ 26,7 milhões em 2016”. Para o parlamentar, a suspensão das taxas terá um impacto “irrisório” no orçamento da EPTC.

Texto

Ana Luiza Godoy (reg. prof. 14341)

Edição

Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)