Sessão Solene

Jornalista Renata de Medeiros é agraciada com o título de Cidadã

  • Sessão Solene de outorga do Título de Cidadã Emérita de Porto Alegre à jornalista Renata Narciso de Medeiros. Na foto: a Homenageada.
    Renata de Medeiros, nova Cidadã de Porto Alegre(Foto: Jeannifer Machado/CMPA)
  • Sessão Solene de outorga do Título de Cidadã Emérita de Porto Alegre à jornalista Renata Narciso de Medeiros. Na foto: vereadora Claudia Araujo, proponente da homenagem.
    Vereadora Cláudia Araújo (PSD), proponente da homenagem(Foto: Jeannifer Machado/CMPA)

A Câmara Municipal de Porto Alegre realizou na tarde desta sexta-feira (13/12) sessão solene que concedeu o título de Cidadã de Porto Alegre à jornalista Renata de Medeiros. Renata foi a primeira mulher a ser repórter de campo em um jogo da dupla Grenal nos 92 anos de história da Rádio Gaúcha. Proposta pela vereadora Cláudia Araújo (PSD), a homenagem foi presidida pela vereadora Mônica Leal (PP), que parabenizou a jornalista por sua trajetória de mulher que buscou seu espaço e não desistiu. “Estou emocionada. Seja em que área for, temos o papel de contribuir para a diminuição da desigualdade entre homens e mulheres”, disse a presidente.

Na tribuna, Cláudia Araújo disse que Renata nasceu em Porto Alegre, em 1993, é jornalista formada pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e integra o Grupo RBS desde 2012. A parlamentar afirmou que a coragem de Renata engaja as pessoas, lembrando o fato que ocorreu 2018, quando a homenageada foi agredida por um torcedor durante a cobertura de um clássico Grenal. 

“O episódio desencadeou a fundação do movimento ‘Deixa Ela Trabalhar’, manifesto de jornalistas esportivas contra o machismo nos estádios de futebol, tornando Renata referência na luta para que as mulheres sejam respeitadas nos lugares em que elas escolhem ocupar”, destacou a vereadora. Cláudia salientou ainda que a jornalista transformou esse fato em combustível para lutar contra a violência sofrida por todas as jornalistas e impacta positivamente não apenas as suas colegas, mas todas as mulheres que ocupam espaços outrora exclusivamente masculinos.

De acordo com a parlamentar, quando o fato ocorreu, Renata tinha todo o direito de ficar com medo e acuada, mas mostrou a todos que não podemos nos calar. “Esta casa é um exemplo, 36 vereadores, sendo somente 5 mulheres. A Porto Alegre que sonhamos é uma cidade onde todas as mulheres possam andar. Receba esse título como uma declaração de apoio à causa. Juntas podemos mais e a palavra final é somente uma: deixa ela trabalhar”, concluiu. 

Homenagem 

Renata de Medeiros afirmou que tem a pretensão de mudar um pouquinho o mundo. “Além da homenagem que recebo hoje, a data também não pode ser esquecida, pois há 51 anos ocorreu o AI-5”, lembrou. A jornalista contou que logo que soube que receberia o título do legislativo foi pesquisar sobre as atribuições de uma Cidadã emérita da cidade. “Entre as matérias que encontrei estava a de que em 2016 apenas quatro vereadoras eram mulheres e me questionei: por que somos tão poucas quando a noticia é boa, mas somos muitas quando a noticia é ruim?”. Ela lembrou, por exemplo, que entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico. 

“A minha agressão aconteceu em um ambiente público. Foi uma experiência dolorosa e passei pelo constrangimento de relatar o que vivi a um delgado”, relatou. Renata disse que a partir daquele momento pode experimentar o que passam as mulheres que vivem situações similares. “Se hoje eu estou aqui é porque outras mulheres vieram antes de mim e abriram caminho. Ninguém luta sozinha, então muito obrigada por lutarem comigo”, agradeceu. 

Prestigiaram a sessão os vereadores Valter Nagelstein (MDB), Cassio Trogildo (PTB), Reginaldo Pujol (DEM) e João Carlos Nedel (PP).

Texto

Lisie Bastos Venegas (reg. prof. 13688)

Edição

Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)