Plenário Virtual

Sessão Ordinária / Lideranças

Sessão ordinária.
Sessões estão sendo realizadas de modo misto: presencial no Auditório Ana Terra e virtual pela Internet(Foto: Leonardo Contursi/CMPA)

Na tarde desta quarta-feira (11/11), em sessão ordinária, vereadores e vereadoras da Câmara Municipal de Porto Alegre fizeram os seguintes pronunciamentos em período de Liderança:

 

LARANJA - Adeli Sell (PT) usou o tempo de liderança para fazer uma denúncia. Disse que a Secretaria Municipal de Educação foi avisada e notificada a respeito da empresa Multiclean. “A empresa está no nome de uma pessoa que tem como capital uma motocicleta. Descobri um processo criminal que diz que os verdadeiros donos são outras pessoas, ela está ali como laranja.” O vereador falou que tem todos os dados e que copiou o processo integralmente, e que a carta que encaminhará ao secretário Adriano Neves de Brito é também uma notificação extrajudicial. “Vou buscar junto aos prejudicados os procedimentos legais. Na semana que antecede o voto popular e democrático, esperamos ter uma ampla participação da população.” (LMN)

 

DESGOVERNO - Aldacir Oliboni (PT) disse que esse é um momento importante não só para os vereadores que estão buscando a reeleição, mas também para os cidadãos que buscam o direito de exercer seu voto. “Estamos nessa luta árdua de oposição ao governo que, ao longo dos quatro anos de mandato, destruiu a carreira dos servidores públicos, as políticas públicas e não assumiu com responsabilidade a cidade em um momento de pandemia.” Lembrou também do grande número de terceirizações e da falta de repasse de dinheiro para a alimentação dos alunos da rede municipal. “A situação caótica de Porto Alegre é fruto de um desgoverno.” Finalizou sua fala mencionando a audiência pública que ocorrerá hoje à noite que vai discutir a situação dos trabalhadores do IMESF, para garantir que não sejam demitidos. (LMN)

 

PERIGO - Alex Fraga (PSol) - complementou a fala do vereador Adeli Sell a respeito da Multiclean. “É inaceitável que esse tipo de empresa possa firmar compromissos com o município se, historicamente, manifesta problemas recorrentes como o atraso dos pagamentos.” Trouxe para debate também o cancelamento de concursos e a sua preocupação com o risco de incêndio nas escolas da cidade que, por conta da pandemia, armazenam quantidades grandes de álcool 70% para higienização. “Os locais de armazenamento não são fiscalizados e também guardam outros produtos inflamáveis. Visitei escolas e não encontrei nenhum extintor de incêndio bom para uso.” Disse que o prefeito e o secretário da educação parecem não se importar com as vidas humanas e que a abertura das escolas só tem finalidade eleitoral. (LMN)

 

AÇÕES - Cassiá Carpes (PP) falou sobre a grande quantidade de ações acontecendo por parte do município nos últimos dias. “Nada foi feito nos últimos quatro anos. Estamos em época de eleição, então querem montar canteiro de obra para dizer que alguma coisa está sendo feita.” Disse que essa situação é lamentável, pois a Câmara sempre cobrou isso e agora na reta final estão fazendo só para impressionar a população. “Eu torço para que as mudanças sejam feitas, mas essa atitude é muito suspeita na véspera das eleições. É uma forma de corrupção para comprar votos da população.” (LMN)

Texto

Lara Moeller Nunes (estagiária de Jornalismo)

Edição

Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)