Plenário

Secretário fala sobre o transporte público na Capital

Comparecimento do secretário municipal de Mobilidade Urbana, Luiz Fernando Záchia.
Secretário Luiz Fernando Záchia respondeu questionamentos dos vereadores(Foto: Ederson Nunes/CMPA)

Durante período de Comparecimento na sessão ordinária desta segunda-feira (22/2), na Câmara Municipal de Porto Alegre, o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Luiz Fernando Záchia, apresentou relato técnico, especialmente, sobre os principais fatores que impactam no valor da tarifa do transporte público na cidade: custo da frota, valor do combustível, despesas de pagamento de pessoal e aquisição de pneus.

Em sua fala, Záchia destacou, ainda, que o sistema de transporte precisa ser reavaliado. “Estamos diante de uma realidade nublada. Uma das alternativas que estamos construindo é a criação de um hiato de 90 dias para que possamos debater e ouvir os envolvidos para fazer uma reavaliação do sistema, que precisa ser equacionado, com avaliação das isenções, reestudo de linhas, readequação de frota, entre outros. Nossa preocupação maior está em melhorar a qualidade do serviço, mantendo o melhor atendimento possível aos usuários”, afirmou.

Ao fazer um pequeno histórico sobre o transporte público na cidade, o titular da pasta lembrou, entre outros aspectos, que a referência do edital da licitação de 2015 era de 1.712 ônibus. “Em 2019, foram 1.518 ônibus, o que representa um decréscimo de 11,3% na frota. No período, também tivemos um decréscimo de 24% no número de usuários, sendo 13 milhões de passageiros por mês em 2019. Temos a racionalização do sistema, com 94 quilômetros, entre faixas exclusivas e corredores, disponíveis para dar maior velocidade no transporte e reduzir o consumo de combustível, reconhecimento facial em 100% da frota e uma queda de 78% nos assaltos de ônibus: 915 ocorrências, em 2016; e 194, em 2019”.

Questionamentos

O secretário também respondeu a questionamentos dos parlamentares. Ele reforçou que o sistema de transporte precisa ser rediscutido, tendo em vista que hábitos estão mudando e o mesmo foi construído em cima de um formato específico e uma situação econômica diferente da realidade atual. “Precisamos revisar ações. Estamos à disposição para abrir melhor todos os números para que os vereadores desta Casa tenham melhor compreensão sobre as demandas do transporte público”, finalizou.

Texto

Bruna Mena Bueno (reg. prof. 15,774)

Edição

Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)

Tópicos:Záchiamobilidade